Versão 2.0

Nesta versão, uma funcionalidade importante foi acrescentada: o modo Estudo de Casos. Algumas pequenas modificações na interface também foram feitas, a fim de suportar o novo modo de operação do simulador.

 

Inclusão do modo Estudo de Casos:

No modo Estudo de Casos, o usuário tem acesso aos parâmetros atualizados de algumas cidades brasileiras. Ao selecionar essa opção no menu ou na barra de ferramentas (ícone mapa do Brasil), o usuário poderá escolher uma das cidades listadas e ter acesso aos dados relativos aos casos reais e sua comparação com os resultados simulados, bem como poderá simular alguns cenários com e sem controle de circulação. Neste modo, os parâmetros não podem ser modificados, exceto os de controle de circulação e de tempo de simulação. O início da simulação corresponderá a data final do intervalo de coleta dos dados, e para os quais os parâmetros foram calculados.

 

Modo Simulação de Regiões:

O modo de operação da versão anterior do Simcovid agora é chamado de Simulação de Regiões. Nesse modo, todos os parâmetros da simulação estão liberados para edição. Ao sair do modo Estudo de Casos para a Simulação de Regiões, esta não é mais identificada.

 

Atualização automática dos dados do modo Estudo de Casos:

O software passará a verificar se há novos dados disponíveis sobre as cidades do Modo Estudo de Casos quando iniciado, sem necessidade de intervenção do usuário. A cada atualização, o ícone do Modo Estudo de Casos muda de cor, para indicar que novos dados estão disponíveis para as cidades monitoradas pela equipe responsável pelo Simcovid.

 

Aprimoramentos na interface com o usuário:

Pequenas mudanças foram feitas na interface com o usuário, para possibilitar a adição do modo Estudo de Casos, e para dar maior uniformidade na apresentação.

 

Versão 1.1

Inclusão do parâmetro Taxa de Quarentena (pqi):

O modelo matemático do simulador passa a incluir o parâmetro taxa de quarentena, para se adequar melhor aos cenários mais recentes. Esse parâmetro corresponde à taxa de infectados (sintomáticos ou não) que entram em quarentena após serem identificados. Estes infectados identificados entram então em isolamento, nos hospitais ou nas suas próprias residências, passando a não mais contribuírem com a contaminação. Valores identificados para as cidades brasileiras (ver detalhes neste artigo) situam-se entre 0 e 8, de forma que o usuário é aconselhado a informar este parâmetro dentro desse intervalo. Internamente no software, o valor entre 0 e 8 informado na interface é dividido por 100.


Valores padrão para Índice de Reprodução Basal (R0) atualizado

Estudos recentes situam o R0 médio para as cidades brasileiras em 2.5, um pouco maior do que o valor identificado para Hubei (China), de 2.25 (ver este artigo).

Assim, se o usuário não modificar o parâmetro, o simulador assumirá o novo R0.

 

Aprimoramentos na interface com o usuário

Pequenas modificações foram feitas na interface, para facilitar a entrada dos parâmetros numéricos.

Embora recomende-se o uso da versão mais recente, é possível baixar esta primeira versão nos links abaixo, caso queira se fazer uma comparação entre resultados das simulações empregando modelos matemáticos diferentes ao longo do tempo.

Instalador do Simcovid 1.1 - Windows
Simcovid 1.1 portátil - Windows

 

Versão 1.0

Esta é a primeira versão do Simcovid, que foi disponibilizada apenas para Windows nas modalidades instalável e standalone (portátil). Embora recomende-se o uso da versão mais recente, é possível baixar esta primeira versão nos links abaixo, caso queira se fazer uma comparação entre resultados das simulações empregando modelos matemáticos diferentes ao longo do tempo.

Instalador do Simcovid 1.0 - Windows
Simcovid 1.0 portátil - Windows