Pitangueira (Eugenia uniflora)

Família: Myrtaceae

Tipo: Frutífera

Origem: Nativa

Altura:

Clima: Tropical quente e úmido

Solos: arenoso, areno-argilosos, argilo-arenosos e pedregosos

Histórico:

A  pitangueira é muito explorada atualmente no cenário brasileiro para a produção de sucos, geléias, produtos de beleza, entre outras utilidades para a indústria brasileira. Por conta de ser uma espécie que possui boa adaptação ao ambiente é encontrada em vários locais do mundo como em países da América do Sul e Central, do Caribe, nos Estados Unidos, China, Índia, Sri Lanka, México, Madagascar, África do Sul, Israel e vários países do Mediterrâneo.

O IPA possui a maior coleção com 117 acessos, no entanto outras instituições, como a Embrapa Clima Temperado e a Unesp-FCAV têm enviado esforços para preservar e caracterizar o germoplasma de pitangueira, nas regiões Sul e Sudeste, respectivamente. (LENDERMAN, I.;BEZERRA, J.E.;JÚNIOR, J.E.;JUNIOR, J.F. 24-25p)

Cultivo:

O método de porta-enxerto deve de ser feito extraindo a semente de frutos maduros, lavando-o em água corrente e deixando-os secarem na sombra para serem semeados o mais rápido possível. Duas sementes devem de ser colocadas em sacos pretos de 12cm X  16cm com um substrato de terra e esterco de bois ou galinhas em uma proporção de 6:1 e 3:1. Os sacos devem de ser irrigados e cobertos com capim seco para manter a umidade do substrato levando até 22 dias para finalmente germinar.

As mudas devem de ser plantadas com uma cobertura de 1 metro de altura na direção do nascente e 60 cm da direção do poente evitando que a muda esteja exposta nas horas mais quente do dia. Ao atingirem 5 cm de altura os ramos com menos vegetação e mais fracos devem de ser cortados, sendo que, aos 25 cm de altura que atinge normalmente aos 6 meses a muda deve de ser levada para plantio em campo. 

Referências:

FRANZÃO, A.A.;MELO,B.Cultura da pitangueira. Universidade federal de Uberlândia. Disponível em <http://www.fruticultura.iciag.ufu.br/pitangueira.html> Acesso em 25 de jun. 2019.
LEDERMAN, I.E.; BEZERRA, J.E.; JÚNIOR, J.S.; JUNIOR, J.PITANGUEIRA. Recife, PE.Empresa Pernambucana  de Pesquisa agropecuária, 2006. Acesso em 25 de jun. 2019